Universo da Notícia

Dome coloca “elefante no quarto”, e Flamengo se perde diante do Atlético-GO

Maior vencedor da história dos pontos corridos perdeu para o recém-promovido à Série A.

Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

"Vamos respeitar muito o trabalho feito pelos jogadores e mudar pouco a pouco. Não vamos ser como um elefante entrando em um quarto pequeno". O discurso da primeira entrevista coletiva não foi colocado em prática, e Domènec Torrent viu o elefante implodir na derrota por 3 a 0 para o Atlético-GO o futebol que o torcedor se acostumou a ver no Flamengo.

A vitória do time recém-promovido à Série A sobre o melhor campeão da história dos pontos corridos não foi obra do acaso. O Atlético-GO atropelou o Flamengo desde o primeiro minuto e não é exagero dizer que o placar ficou barato. Para justificar a escolha por Gustavo Henrique e Vitinho nos lugares de Rafinha e Arrascaeta, Dome disse que não mudou tanto no esquema tático de Jorge Jesus. Falou em 4-3-3, 4-2-3-1 e outros números, mas esqueceu de contar a quantidade de jogadores que mudou de posição.

Não demorou muito para Vagner Mancini perceber o latifúndio no lado direito da defesa carioca e forçar o jogo por ali. Aos 30 minutos, o 2 a 0 no placar representavam menos de 50% de eficiência nas oportunidades criadas pelo Dragão diante de um Rodrigo Caio exposto e extenuado na tentativa de resolver os problemas defensivos. Por mais que seja quem mais apareça nos lance mais perigosos, ele esteve longe de ser o zagueiro a ter a pior atuação.

Fora de posição, Rodrigo corria de um lado para o outro não somente para defender como lateral, mas também para fechar buracos de Gustavo Henrique e Léo Pereira, que se aproximam de setembro longe de curar a saudade do torcedor por Pablo Marí.

Ofensivamente, o Flamengo envolvente e móvel não existiu. Ribeiro, Vitinho, Bruno Henrique e Gabriel lotearam pedaços de campo e pareciam precisar de um telefone celular para se comunicar tamanho distanciamento. Enfim, 45 minutos desastrosos do Flamengo.

A troca de posicionamento da reta final do primeiro tempo surtiu efeito com a mudança de peças na volta do intervalo. Rafinha e Pedro substituíram Gustavo Henrique e Vitinho, e o Flamengo se aproximou de sua "realidade" recente. Com posse de bola e presença no campo ofensivo, criou oportunidades, mas Gabigol não vivia boa noite e acumulou pela primeira vez no clube o sexto jogo sem ir às redes.

A melhora significava também uma maior exposição defensiva (se é que era possível após o péssimo primeiro tempo). E o Atlético-GO passou a jogar com inteligência. Até que Gustavo Ferrareis gingou na frente de Rodrigo Caio e acertou o ângulo de Diego Alves para sepultar qualquer chance de reação.

Do "pouco a pouco" até as muitas mudanças de peças e, principalmente, de posicionamento, o Flamengo precisou de apenas duas partidas para viver com Domènec uma realidade que não estava acostumado. A última vez que o time perdeu duas partidas consecutivas foi em setembro de 2018, para Ceará, no Maracanã, e Inter, no Beira-Rio.

 
 

Fonte

Globoesporte.com/Foto: MARCOS SOUZA/NASCIMENTOSOUZAPRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
  • COMPARTILHE

Veja também

13Nov

Inter vence o Gre-Nal e entra na zona de classificação do Brasileiro Sub-20

Igor e Pedrinho marcam os gols da vitória colorada; Leo Fenga desconta para o Tricolor na etapa final

13Nov

A três dias do fechamento da janela, Grêmio mantém esperança de contratar meia e volante

Direção avalia mercado para encorpar grupo de Renato Portaluppi.

13Nov

Tite convoca Pedro para duelos nas eliminatórias, mas não corta Neymar de olho no Uruguai

Técnico relaciona atacante do Flamengo para últimos jogos de 2020 e mantém astro do PSG na lista.

13Nov

Com Dome, Flamengo só não sofreu gol em cinco de 24 jogos; veja opções da zaga

Sob o comando do catalão, equipe sofre 1,33 gols por jogo.

Publicidade