Universo da Notícia

Acusado de matar esposa e amputar mão de enteada com golpe de foice é condenado

Ele era acusado de um crime de grande repercussão registrado em agosto do ano passado no Bairro Neva, em Cascavel.

CGN

Aconteceu, nesta tarde, no Fórum da Justiça Estadual de Cascavel, o julgamento de Sidnei Rodrigues da Silva.

Ele era acusado de um crime de grande repercussão registrado em agosto do ano passado no Bairro Neva, em Cascavel.

O homem teria desferido golpe de arma branca do tipo foice na direção da cabeça da enteada, que, para se defender, colocou o braço na frente e, com isso, o golpe lhe provocou amputação traumática da mão.

O acusado também teria investido contra Guiomar Ferreira Prestes, sua companheira, provocando sua morte por choque hemorrágico agudo.

Segundo o promotor Guilherme Carneiro, Sidnei foi condenado a 25 anos de prisão pelos dois crimes, iniciando no regime fechado. 

Foram retiradas as qualificadoras do motivo fútil e a que dificultava a defesa da vítima e reconhecido o privilégio da forte emoção na tentativa.

Fonte

CGN
  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Acusado de matar esposa e amputar mão de enteada com golpe de foice é condenado

CGN

Aconteceu, nesta tarde, no Fórum da Justiça Estadual de Cascavel, o julgamento de Sidnei Rodrigues da Silva.

Ele era acusado de um crime de grande repercussão registrado em agosto do ano passado no Bairro Neva, em Cascavel.

O homem teria desferido golpe de arma branca do tipo foice na direção da cabeça da enteada, que, para se defender, colocou o braço na frente e, com isso, o golpe lhe provocou amputação traumática da mão.

O acusado também teria investido contra Guiomar Ferreira Prestes, sua companheira, provocando sua morte por choque hemorrágico agudo.

Segundo o promotor Guilherme Carneiro, Sidnei foi condenado a 25 anos de prisão pelos dois crimes, iniciando no regime fechado. 

Foram retiradas as qualificadoras do motivo fútil e a que dificultava a defesa da vítima e reconhecido o privilégio da forte emoção na tentativa.

Publicidade