Universo da Notícia

Covid-19: vacina cria anticorpos em 100% dos voluntários

1.120 voluntários participaram da pesquisa.

Foto: Xinhua

Um instituto de produtos biológicos em Pequim afiliado ao Grupo Nacional Farmacêutico da China (Sinopharm) anunciou no domingo que alcançou resultados positivos para um candidato a vacina COVID-19 que desenvolveu.

O desenvolvimento ocorreu quando o número global de pacientes confirmados ultrapassou 10 milhões a partir das 18h30 de domingo (horário de Pequim).

Três das quatro vacinas COVID-19 inativadas desenvolvidas na China evocaram respostas imunológicas positivas nos ensaios clínicos de Fase I e II, indicando que a China fez um grande progresso na pesquisa e desenvolvimento (P&D) desse tipo de vacina, disseram especialistas.

O instituto de Pequim, pertencente ao Sinopharm China National Biotec Group (CNBG), disse em comunicado enviado ao Global Times que todos os 1.120 voluntários da primeira e da segunda fase de ensaios clínicos produziram com sucesso anticorpos de alto título contra o COVID-19 após aceitar duas doses da vacina. 

A vacina provou ser eficaz e segura, leia a declaração.

Os ensaios clínicos começaram em 27 de abril no condado de Shangqiu, na província de Henan, na China Central e foram projetados como estudos randomizados, duplo-cegos e controlados por placebo, segundo o comunicado. 

Outro instituto do CNBG em Wuhan, província de Hubei, na China Central, anunciou em 16 de junho os resultados dos ensaios clínicos de Fase I e II de um candidato a vacina desenvolvido. Isso forneceu mais dados vitais para a pesquisa do CNBG de vacinas inativadas contra COVID-19, leia a declaração.

Em 23 de junho, o CNBG anunciou que havia concordado com as autoridades dos Emirados Árabes Unidos em iniciar os ensaios clínicos de Fase III para candidatos a vacina inativada que o CNBG desenvolveu. O grupo não disse quais vacinas estavam envolvidas.

Especialistas disseram que, se os ensaios em humanos forem bem no exterior, o terceiro estágio será encerrado em agosto, seguido de observação médica em setembro, com dados revelados em outubro. Uma vacina poderia então ser aprovada para comercialização após resultados positivos no final de outubro.

A Sinopharm está expandindo a capacidade de fabricação de vacinas COVID-19. Uma fábrica em Pequim e uma em Wuhan podem produzir juntas pelo menos 200 milhões de doses anualmente, de acordo com relatos da mídia. 

A planta em Pequim é o maior centro de fabricação de vacinas COVID-19 em todo o mundo, disseram os relatórios.

No entanto, a produção em massa de vacinas inativadas ainda enfrenta o desafio inicial de capacidade insuficiente, alertaram especialistas.

“Cada pessoa precisa de duas doses da vacina inativada para evocar uma resposta imune, e 200 milhões de doses atenderiam apenas às necessidades de imunização de 100 milhões de pessoas. Isso ainda está longe de ser suficiente para a China e o mundo no momento em que as vacinas são urgentemente necessárias. , “Tao Lina, especialista em vacinas de Xangai, disse ao Global Times no domingo.

A China está desenvolvendo vacinas COVID-19 em cinco categorias – vacinas inativadas, vacinas recombinantes de proteínas, vacinas vivas atenuadas contra influenza, vacinas de adenovírus e vacinas baseadas em ácidos nucléicos, segundo relatórios. 

Exceto pelas vacinas vivas atenuadas contra influenza, todos os quatro tipos entraram em ensaios clínicos em humanos, mostrando que o progresso da pesquisa e desenvolvimento das vacinas COVID-19 na China é notavelmente mais rápido do que nos EUA, observaram analistas.

Vários outros tipos de vacinas, se desenvolvidos com sucesso, são teoricamente mais produtivos do que as vacinas inativadas, disse Tao.

“A Organização Mundial da Saúde (OMS) espera que 2 bilhões de doses da vacina estejam disponíveis em todo o mundo até o final de 2021. Vacinas inativadas por si só certamente não serão suficientes”, disse Tao.

A OMS divulgou planos na sexta-feira que visam a entrega de 500 milhões de testes para países de baixa e média renda (LMICs) em meados de 2021, 245 milhões de cursos de tratamentos para LMICs em meados de 2021 e 2 bilhões de doses de vacina, das quais 1 bilhões serão comprados para LMICs até o final de 2021.

Segundo o site da OMS, existem 16 vacinas candidatas ao COVID-19 em ensaios clínicos em todo o mundo, das quais sete estão sendo desenvolvidas por empresas chinesas ou em conjunto por empresas chinesas e estrangeiras. 

teste 3

Fonte

GLOBALTIMES.
  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Covid-19: vacina cria anticorpos em 100% dos voluntários

GLOBALTIMES.

Um instituto de produtos biológicos em Pequim afiliado ao Grupo Nacional Farmacêutico da China (Sinopharm) anunciou no domingo que alcançou resultados positivos para um candidato a vacina COVID-19 que desenvolveu.

O desenvolvimento ocorreu quando o número global de pacientes confirmados ultrapassou 10 milhões a partir das 18h30 de domingo (horário de Pequim).

Três das quatro vacinas COVID-19 inativadas desenvolvidas na China evocaram respostas imunológicas positivas nos ensaios clínicos de Fase I e II, indicando que a China fez um grande progresso na pesquisa e desenvolvimento (P&D) desse tipo de vacina, disseram especialistas.

O instituto de Pequim, pertencente ao Sinopharm China National Biotec Group (CNBG), disse em comunicado enviado ao Global Times que todos os 1.120 voluntários da primeira e da segunda fase de ensaios clínicos produziram com sucesso anticorpos de alto título contra o COVID-19 após aceitar duas doses da vacina. 

A vacina provou ser eficaz e segura, leia a declaração.

Os ensaios clínicos começaram em 27 de abril no condado de Shangqiu, na província de Henan, na China Central e foram projetados como estudos randomizados, duplo-cegos e controlados por placebo, segundo o comunicado. 

Outro instituto do CNBG em Wuhan, província de Hubei, na China Central, anunciou em 16 de junho os resultados dos ensaios clínicos de Fase I e II de um candidato a vacina desenvolvido. Isso forneceu mais dados vitais para a pesquisa do CNBG de vacinas inativadas contra COVID-19, leia a declaração.

Em 23 de junho, o CNBG anunciou que havia concordado com as autoridades dos Emirados Árabes Unidos em iniciar os ensaios clínicos de Fase III para candidatos a vacina inativada que o CNBG desenvolveu. O grupo não disse quais vacinas estavam envolvidas.

Especialistas disseram que, se os ensaios em humanos forem bem no exterior, o terceiro estágio será encerrado em agosto, seguido de observação médica em setembro, com dados revelados em outubro. Uma vacina poderia então ser aprovada para comercialização após resultados positivos no final de outubro.

A Sinopharm está expandindo a capacidade de fabricação de vacinas COVID-19. Uma fábrica em Pequim e uma em Wuhan podem produzir juntas pelo menos 200 milhões de doses anualmente, de acordo com relatos da mídia. 

A planta em Pequim é o maior centro de fabricação de vacinas COVID-19 em todo o mundo, disseram os relatórios.

No entanto, a produção em massa de vacinas inativadas ainda enfrenta o desafio inicial de capacidade insuficiente, alertaram especialistas.

“Cada pessoa precisa de duas doses da vacina inativada para evocar uma resposta imune, e 200 milhões de doses atenderiam apenas às necessidades de imunização de 100 milhões de pessoas. Isso ainda está longe de ser suficiente para a China e o mundo no momento em que as vacinas são urgentemente necessárias. , “Tao Lina, especialista em vacinas de Xangai, disse ao Global Times no domingo.

A China está desenvolvendo vacinas COVID-19 em cinco categorias – vacinas inativadas, vacinas recombinantes de proteínas, vacinas vivas atenuadas contra influenza, vacinas de adenovírus e vacinas baseadas em ácidos nucléicos, segundo relatórios. 

Exceto pelas vacinas vivas atenuadas contra influenza, todos os quatro tipos entraram em ensaios clínicos em humanos, mostrando que o progresso da pesquisa e desenvolvimento das vacinas COVID-19 na China é notavelmente mais rápido do que nos EUA, observaram analistas.

Vários outros tipos de vacinas, se desenvolvidos com sucesso, são teoricamente mais produtivos do que as vacinas inativadas, disse Tao.

“A Organização Mundial da Saúde (OMS) espera que 2 bilhões de doses da vacina estejam disponíveis em todo o mundo até o final de 2021. Vacinas inativadas por si só certamente não serão suficientes”, disse Tao.

A OMS divulgou planos na sexta-feira que visam a entrega de 500 milhões de testes para países de baixa e média renda (LMICs) em meados de 2021, 245 milhões de cursos de tratamentos para LMICs em meados de 2021 e 2 bilhões de doses de vacina, das quais 1 bilhões serão comprados para LMICs até o final de 2021.

Segundo o site da OMS, existem 16 vacinas candidatas ao COVID-19 em ensaios clínicos em todo o mundo, das quais sete estão sendo desenvolvidas por empresas chinesas ou em conjunto por empresas chinesas e estrangeiras. 

Parceiros

Publicidade