Universo da Notícia

Homem é preso com arsenal de guerra e veículo blindado na fronteira Brasil /Paraguai

Foram apreendidos fuzis, munições, granadas, coletes e até mesmo um veículo blindado.

Armamento de grosso calibre apreendido pelo DOF. Foto: Divulgação
teste

Erro na Linha: #331 :: Undefined variable: publicidadePost
/home/universodanotici/public_html/themes/news_2018/noticia.php

Erro na Linha: #332 :: Undefined variable: publicidadePost
/home/universodanotici/public_html/themes/news_2018/noticia.php

Homem de 28 anos preso com arsenal em uma fazenda na zona rural de Ponta Porã, a 346 quilômetros de Campo Grande, na manhã de domingo (10), agrediu agente do DOF (Departamento de Operações de Fronteira) e vai responder por lesão corporal. O dono da fazenda, de 38 anos, afirmou aos policiais ter ligação com cigarreiros. Além deles, um jovem de 25 anos morador na Capital, que se apresentou como universitário, também foi preso.

Como grupo foi apreendida grande quantidade de fuzis de grosso calibre, carregadores, escopetas, granadas e explosivos, além de drogas. Dois comparsas que faziam a segurança do local com AK-47 fugiram pelo mato ao perceberem a aproximação da polícia. O grupo responde por porte ilegal de explosivos, porte de drogas para consumo, organização criminosa, posse irregular de arma de uso permitido, posse ou porte de arma de uso restrito e, no caso do agressor do policial, lesão corporal e resistência.

Segundo registro policial, o caso veio à tona quando os policiais abordaram o grupo que estava a bordo de uma caminhonete Toyota SW4 blindada, trafegando pela BR-463. Durante conversa, os suspeitos entraram em contradição várias vezes e não conseguiram explicar aos policiais o motivo pelo qual estavam juntos e o que faziam na região. Na ocasião, foi descoberto que o homem de 28 anos era natural do Rio de Janeiro e que o jovem de 25 anos era sobrinho do homem de 38 anos, dono da fazenda.

Depois de longa conversa, o grupo aceitou mostrar a fazenda aos policiais. O carioca de 28 anos propôs ir dentro da viatura, mas sem algemas, tendo em vista que o diálogo até aquele momento, apesar de suspeito, estava dentro do normal. A equipe aceitou e, ao entrar na fazenda, o homem atacou o policial que dirigia a viatura, agarrando-o pelo pescoço, fazendo com que ele perdesse a arma e o coldre.

Ambos entraram em luta corporal até a parte de fora do veículo. A outra viatura chegou logo em seguida e ajudou a imobilizar o indivíduo. O homem foi algemado e preso. Os outros dois se mantiveram calmos, mas os policiais solicitaram mais reforços. Quando eles estava se aproximando da sede. O dono da fazenda disse para os policiais tomarem cuidado, pois lá haverá dois seguranças armados com AK-47.

Por este motivo, os policiais foram a pé, sem fazer alarde e, ao se aproximarem, avistaram dois homens armados. As equipes tentaram abordá-los, mas eles fugiram e abandonaram as armas, sendo uma AK-47 e uma carabina 9 milímetros. No corredor principal foi localizado armário com todo o arsenal, incluindo emulsão de explosivo com cordel detonante e 120 gramas de maconha. Também foram achadas algumas malas soterradas em uma clareira, com mais armamentos. O material foi recolhido e encaminhado à Defron (Delegacia Especializada de Repressão a Crimes de Fronteira).

Fonte

Mídia Max
  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Homem é preso com arsenal de guerra e veículo blindado na fronteira Brasil /Paraguai

Mídia Max

Homem de 28 anos preso com arsenal em uma fazenda na zona rural de Ponta Porã, a 346 quilômetros de Campo Grande, na manhã de domingo (10), agrediu agente do DOF (Departamento de Operações de Fronteira) e vai responder por lesão corporal. O dono da fazenda, de 38 anos, afirmou aos policiais ter ligação com cigarreiros. Além deles, um jovem de 25 anos morador na Capital, que se apresentou como universitário, também foi preso.

Como grupo foi apreendida grande quantidade de fuzis de grosso calibre, carregadores, escopetas, granadas e explosivos, além de drogas. Dois comparsas que faziam a segurança do local com AK-47 fugiram pelo mato ao perceberem a aproximação da polícia. O grupo responde por porte ilegal de explosivos, porte de drogas para consumo, organização criminosa, posse irregular de arma de uso permitido, posse ou porte de arma de uso restrito e, no caso do agressor do policial, lesão corporal e resistência.

Segundo registro policial, o caso veio à tona quando os policiais abordaram o grupo que estava a bordo de uma caminhonete Toyota SW4 blindada, trafegando pela BR-463. Durante conversa, os suspeitos entraram em contradição várias vezes e não conseguiram explicar aos policiais o motivo pelo qual estavam juntos e o que faziam na região. Na ocasião, foi descoberto que o homem de 28 anos era natural do Rio de Janeiro e que o jovem de 25 anos era sobrinho do homem de 38 anos, dono da fazenda.

Depois de longa conversa, o grupo aceitou mostrar a fazenda aos policiais. O carioca de 28 anos propôs ir dentro da viatura, mas sem algemas, tendo em vista que o diálogo até aquele momento, apesar de suspeito, estava dentro do normal. A equipe aceitou e, ao entrar na fazenda, o homem atacou o policial que dirigia a viatura, agarrando-o pelo pescoço, fazendo com que ele perdesse a arma e o coldre.

Ambos entraram em luta corporal até a parte de fora do veículo. A outra viatura chegou logo em seguida e ajudou a imobilizar o indivíduo. O homem foi algemado e preso. Os outros dois se mantiveram calmos, mas os policiais solicitaram mais reforços. Quando eles estava se aproximando da sede. O dono da fazenda disse para os policiais tomarem cuidado, pois lá haverá dois seguranças armados com AK-47.

Por este motivo, os policiais foram a pé, sem fazer alarde e, ao se aproximarem, avistaram dois homens armados. As equipes tentaram abordá-los, mas eles fugiram e abandonaram as armas, sendo uma AK-47 e uma carabina 9 milímetros. No corredor principal foi localizado armário com todo o arsenal, incluindo emulsão de explosivo com cordel detonante e 120 gramas de maconha. Também foram achadas algumas malas soterradas em uma clareira, com mais armamentos. O material foi recolhido e encaminhado à Defron (Delegacia Especializada de Repressão a Crimes de Fronteira).

Parceiros

Publicidade