Universo da Notícia

Região perderá unidades da Defensoria Pública da União (DPU)

Além de Foz do Iguaçu, unidades de Cascavel, Londrina e Umuarama também serão fechadas.

teste

A Defensoria Pública da União (DPU) vai fechar as portas das quatro unidades do interior do Paraná. A população das cidades de Foz do Iguaçu, Cascavel, Londrina e Umuarama perderá o acesso aos serviços da DPU. O atendimento ficará restrito a Curitiba. A medida consta no plano emergencial a ser executado, caso a instituição, que é autônoma, não consiga reverter decisão do Poder Executivo, que estabeleceu a data de 27 de julho de 2019 como prazo final para devolução dos 828 servidores em atuação no órgão.

Os requisitados, como são chamados, representam 63% da força de trabalho administrativa nas 70 unidades da DPU pelo Brasil.

Para não fechar as portas no interior, a DPU depende agora de edição de Medida Provisória que estenda a permanência dos servidores na instituição ao menos até a aprovação do Projeto de Lei 7.922/2014 no Congresso Nacional, que prevê a criação da carreira administrativa da DPU, mas que até hoje não foi apreciado em Plenário na Câmara dos Deputados. Em 23 de maio, a DPU enviou ofício à Casa Civil da Presidência da República demonstrando a urgência e relevância da situação, com o intuito de garantir solução política para a questão por meio de MP.

 

Fonte

Assessoria
  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Região perderá unidades da Defensoria Pública da União (DPU)

Assessoria

A Defensoria Pública da União (DPU) vai fechar as portas das quatro unidades do interior do Paraná. A população das cidades de Foz do Iguaçu, Cascavel, Londrina e Umuarama perderá o acesso aos serviços da DPU. O atendimento ficará restrito a Curitiba. A medida consta no plano emergencial a ser executado, caso a instituição, que é autônoma, não consiga reverter decisão do Poder Executivo, que estabeleceu a data de 27 de julho de 2019 como prazo final para devolução dos 828 servidores em atuação no órgão.

Os requisitados, como são chamados, representam 63% da força de trabalho administrativa nas 70 unidades da DPU pelo Brasil.

Para não fechar as portas no interior, a DPU depende agora de edição de Medida Provisória que estenda a permanência dos servidores na instituição ao menos até a aprovação do Projeto de Lei 7.922/2014 no Congresso Nacional, que prevê a criação da carreira administrativa da DPU, mas que até hoje não foi apreciado em Plenário na Câmara dos Deputados. Em 23 de maio, a DPU enviou ofício à Casa Civil da Presidência da República demonstrando a urgência e relevância da situação, com o intuito de garantir solução política para a questão por meio de MP.

 

Parceiros

Publicidade