Universo da Notícia

Vai sair de viagem? Veja os trechos mais perigosos das rodovias que cortam o Paraná

No Paraná, segundo informações repassadas pela Volvo a pedido da reportagem, o trecho mais perigoso fica na BR-376.

(Foto: Franklin de Freitas)
teste

A cada uma hora e oito minutos, um acidente é registrado nalguma rodovia que corta o Paraná, em média. Segundo informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), apenas neste ano, entre os meses de janeiro e outubro, foram registradas 6.375 ocorrências nas BRs do estado, com saldo de 401 pessoas mortas e outras 7.105 feridas.

Os dados servem de alerta: com as festas de final de ano se aproximando, também aumenta o movimento nas estradas e, consequentemente, o risco da ocorrência de acidentes, inclusive fatais: no Brasil, uma média de 3,5 mil pessoas morrem por mês no trânsito. Em dezembro, porém, esse número chega a quase 3,9 mil e a situação ainda piora nos últimos dias do ano, quando a média de mortes sobe de 116 para 130 por dia (alta de 12%).

Apenas no Paraná, se considerado o período entre 24 de dezembro de 2018 e 7 de janeiro de 2019, foram registrados nas rodovias que cortam o Paraná um total de 269 acidentes, com 20 pessoas mortas e 378 feridos - sendo 73 feridos em estado grave, conforme os dados da PRF.

Para que o período de festas não acabe em luto, porém, os motoristas podem contar com um importante aliado. Recentemente, o Programa Volvo de Segurança no Trânsito (PVST) lançou o aplicativo “Eu Rodo Seguro”, uma ferramenta de gestão de risco de acidentes nas rodovias federais brasileiras que emite alertas sonoros quando o motorista esitver se aproximando dos trechos com maior risco de acidentes nas rodovias federais.

No Paraná, segundo informações repassadas pela Volvo a pedido da reportagem, o trecho mais perigoso fica na BR-376, entre os quilômetros 173 e 182 da rodovia, no município de Maringá. O segundo trecho já está na BR-277, entre o quilômetro 0 e 9, no município de Paranaguá. Por fim, há um trecho da BR-476, entre os quilômetros 135 e 144 da via, em Curitiba.

Curiosamente, em todos esses trechos a principal causa dos acidentes é justamente a falta de atenção dos motoristas, com porcentuais que variam entre 48 e 53%. Ou seja, praticamente metade dos acidentes nessas localidades ocorrem por desatenção de quem está ao volante e, consequentemente, poderiam ter sido evitados.

Download de app é gratuito e atualização, constante

De acordo com a Volvo, o objetivo com o App “Eu Rodo Seguro” é contribuir para a redução do número de mortos e feridos nas estradas brasileiras. Lançada em setembro e disponível gratuitamente para os sistemas Android e iOS, nas lojas Google Store e Apple Store, a ferramenta já foi baixada por mais de 12 mil usuários em todo o país, pode ser usada em conjunto com os apps de navegação favoritos do usuário e também funciona com o GPS, mesmo em áreas sem sinal.

Os trechos mais perigosos apontados pelo App são atualizados a cada semestre e são estabelecidos a partir dos dados do Atlas da Acidentalidade no Transporte, com base nas estatísticas da Polícia Rodoviária Federal. Para usar a ferramenta, antes de iniciar a viagem o motorista deve inserir no App sua origem e destino. O aplicativo aponta os trechos de risco grave e moderado e emite alertas sonoros toda vez que o veículo estiver a 500 metros de um desses locais.

Acidentes em BRs do Paraná
(dados de janeiro a outubro de cada ano)

 

2019

2018

Variação

Ocorrências

6.375

6.638

-3,96%

Feridos

7.105

6.828

4,06%

Mortos

401

418

-4,07%


trechos mais perigosos das BR
s que cortam o Paraná

BRs

Ocorrências/2019

Principal causa

1 - BR 376 km 173 a 182 em Maringá

306 acidentes

Falta de atenção  (48%)

2 - BR 277 km 0 ao 9 em Paranaguá

179 acidentes

Falta de atenção  (51%)

3 - BR 476 km 135 a 144 em Curitiba

164 acidentes

Falta de atenção  (53%)

Fonte

Rodoilfo Luis Kowalski em Bem Paraná
  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Vai sair de viagem? Veja os trechos mais perigosos das rodovias que cortam o Paraná

Rodoilfo Luis Kowalski em Bem Paraná

A cada uma hora e oito minutos, um acidente é registrado nalguma rodovia que corta o Paraná, em média. Segundo informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), apenas neste ano, entre os meses de janeiro e outubro, foram registradas 6.375 ocorrências nas BRs do estado, com saldo de 401 pessoas mortas e outras 7.105 feridas.

Os dados servem de alerta: com as festas de final de ano se aproximando, também aumenta o movimento nas estradas e, consequentemente, o risco da ocorrência de acidentes, inclusive fatais: no Brasil, uma média de 3,5 mil pessoas morrem por mês no trânsito. Em dezembro, porém, esse número chega a quase 3,9 mil e a situação ainda piora nos últimos dias do ano, quando a média de mortes sobe de 116 para 130 por dia (alta de 12%).

Apenas no Paraná, se considerado o período entre 24 de dezembro de 2018 e 7 de janeiro de 2019, foram registrados nas rodovias que cortam o Paraná um total de 269 acidentes, com 20 pessoas mortas e 378 feridos - sendo 73 feridos em estado grave, conforme os dados da PRF.

Para que o período de festas não acabe em luto, porém, os motoristas podem contar com um importante aliado. Recentemente, o Programa Volvo de Segurança no Trânsito (PVST) lançou o aplicativo “Eu Rodo Seguro”, uma ferramenta de gestão de risco de acidentes nas rodovias federais brasileiras que emite alertas sonoros quando o motorista esitver se aproximando dos trechos com maior risco de acidentes nas rodovias federais.

No Paraná, segundo informações repassadas pela Volvo a pedido da reportagem, o trecho mais perigoso fica na BR-376, entre os quilômetros 173 e 182 da rodovia, no município de Maringá. O segundo trecho já está na BR-277, entre o quilômetro 0 e 9, no município de Paranaguá. Por fim, há um trecho da BR-476, entre os quilômetros 135 e 144 da via, em Curitiba.

Curiosamente, em todos esses trechos a principal causa dos acidentes é justamente a falta de atenção dos motoristas, com porcentuais que variam entre 48 e 53%. Ou seja, praticamente metade dos acidentes nessas localidades ocorrem por desatenção de quem está ao volante e, consequentemente, poderiam ter sido evitados.

Download de app é gratuito e atualização, constante

De acordo com a Volvo, o objetivo com o App “Eu Rodo Seguro” é contribuir para a redução do número de mortos e feridos nas estradas brasileiras. Lançada em setembro e disponível gratuitamente para os sistemas Android e iOS, nas lojas Google Store e Apple Store, a ferramenta já foi baixada por mais de 12 mil usuários em todo o país, pode ser usada em conjunto com os apps de navegação favoritos do usuário e também funciona com o GPS, mesmo em áreas sem sinal.

Os trechos mais perigosos apontados pelo App são atualizados a cada semestre e são estabelecidos a partir dos dados do Atlas da Acidentalidade no Transporte, com base nas estatísticas da Polícia Rodoviária Federal. Para usar a ferramenta, antes de iniciar a viagem o motorista deve inserir no App sua origem e destino. O aplicativo aponta os trechos de risco grave e moderado e emite alertas sonoros toda vez que o veículo estiver a 500 metros de um desses locais.

Acidentes em BRs do Paraná
(dados de janeiro a outubro de cada ano)

 

2019

2018

Variação

Ocorrências

6.375

6.638

-3,96%

Feridos

7.105

6.828

4,06%

Mortos

401

418

-4,07%


trechos mais perigosos das BR
s que cortam o Paraná

BRs

Ocorrências/2019

Principal causa

1 - BR 376 km 173 a 182 em Maringá

306 acidentes

Falta de atenção  (48%)

2 - BR 277 km 0 ao 9 em Paranaguá

179 acidentes

Falta de atenção  (51%)

3 - BR 476 km 135 a 144 em Curitiba

164 acidentes

Falta de atenção  (53%)

Parceiros

Publicidade